Twitter

CUT AL > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > APÓS PRESSÃO DO SINDICATO, SUPERINTENDENTE PROMETE MUDANÇAS NO BB

Após pressão do Sindicato, superintendente promete mudanças no BB

16/02/2012

O superintendente admitiu que tem a obrigação de melhorar as relações de trabalho

Escrito por: Seeb-AL

 

 

Dois dias úteis após a manifestação do Sindicato no prédio central do BB - para protestar contra as metas abusivas e o assédio moral contra os funcionários – o superintendente do banco, Eduardo Santana, procurou a diretoria da entidade para conversar e negociar. Em reunião na sede do Seeb-AL, ontem à tarde (14/02), ele se comprometeu a tomar providências contra as pressões e o tratamento autoritário adotado contra os empregados.

O superintendente admitiu que tem a obrigação de melhorar as relações de trabalho e solucionar os problemas denunciados pelo Sindicato. Ele chegou a elogiar a atuação da entidade, desculpando-se pelo fato de o banco não ter resolvido os casos na velocidade de ação que todos esperam. Algumas decisões da Superintendência, prometeu, serão revistas, incluindo as formas como são estipuladas e cobradas as metas.

O presidente do Sindicato, Jairo França, reafirmou que, se a Superintendência não modificar o quadro degradante de trabalho a que estão submetidos os funcionários, manifestações e paralisações serão realizadas em todas as agências do BB. O Sindicato também espera que a GEPES (Gestão de Pessoas) assuma as funções para as quais foi criada no ano passado, dando assistência aos bancários após os assaltos e combatendo o assédio moral dentro da empresa.

“O Sindicato está atento aos compromissos assumidos pelo superintendente e conclama os funcionários a acompanhar o quadro dentro do banco. Qualquer problema, novo ou antigo, deve ser comunicado à entidade, para que possamos agir novamente na defesa de todos”, disse Jairo.

Durante a reunião com Eduardo Santana, o Sindicato voltou a colocar na mesa as situações humilhantes que tem detectado nas agências e ouvido dos funcionários. Citou que alguns gerentes são assediados até com torpedos para que cumpram metas abusivas do banco. “Tem funcionário chorando, adoecendo, e isso não é bom para ninguém. Os bancários da nossa base não podem ser tratados como escravos”, acrescentou Jairo.

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE ALAGOAS
Rua General Hermes, 380 | Cambona | CEP 57017-200| Maceió | AL
Fone: (55 82) 3221.6794 - (55 82) 3336.8786| www.cut-al.org.br | e-mail: cutalagoas@gmail.com