Twitter

CUT AL > LISTAR NOTÍCIAS > DESTAQUES > JUSTIÇA SUSPENDE DECLARAÇÃO DE ILEGALIDADE DE GREVE DO PSF

Justiça suspende declaração de ilegalidade de greve do PSF

18/01/2012

O juiz convocado José Cícero Alves da Silva, em atividade na Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL),

Escrito por: por Assessoria - TJ

 

O juiz convocado José Cícero Alves da Silva, em atividade na Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), suspendeu, em decisão liminar, a declaração de ilegalidade da greve dos médicos do Programa de Saúde de Família (PSF) do município de Arapiraca. A decisão também desautorizou descontos nos salários dos profissionais pelos dias não trabalhados e a multa diária de R$ 10.000,00.

José Cícero Alves considerou os argumentos apresentados pelo Sindicato dos Médicos do Estado de Alagoas (SINMED) de que a manutenção da decisão de primeiro grau acarretaria em obrigação de cumprir medida que entendem ser ilegítima e pagamento de quantia capaz de privar os profissionais de valores necessários ao seu sustento, podendo causar dano irreparável.

No artigo 37, inciso VIII, da Constituição Federal, é reconhecido o direito de greve para servidores públicos, no entanto, a Lei Maior declara que esse direito dependeria da regulamentação de uma lei complementar que ainda não foi editada. Diante dessa situação, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que ao direito de greve dos servidores públicos deverá ser aplicada por analogia a lei que regulamenta o direito de greve dos trabalhadores da iniciativa privada.

“De uma leitura atenta do artigo, constata-se que a lei não proíbe, absolutamente, a greve em serviços essenciais, apenas exige que os grevistas fiquem obrigados a garantir a prestação dos serviços que afetem ‘necessidades inadiáveis’ da comunidade. Dessa forma, para determinar a imediata paralisação da greve, necessário seria restar demonstrado, de plano esse perigo iminente”, explicou o juiz convocado.

Greve

Os médicos declararam greve devido à falta de reajuste salarial. Eles alegam que o município descumpre a portaria de criação do PSF que dispõe ser de 30 salários mínimos a remuneração para a categoria médica, no entanto, eles recebem apenas 10 salários mínimos.

A categoria avisou com setenta e duas horas de antecedência ao município de Arapiraca, à Associação dos Municípios de Alagoas (AMA), ao Conselho Regional de Medicina, ao Conselho de Secretaria de Saúde do Estado (Consemes) e respeitou o funcionamento de 30% dos trabalhos das equipes do PSF, uma vez que se trata de serviço essencial a comunidade.

Matéria referente ao Agravo de Instrumento nº 2011.008426-8, publicado no Diário da Justiça Eletrônico (DJE) desta segunda-feira (17)

  • Imprimir
  • w"E-mail"
  • Compartilhe esta noticia
  • FaceBook
  • Twitter

Conteúdo Relacionado

TV CUT
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.
João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta solidariedade a sindicalistas coeranos presos.

João Felício, presidente da CSI, Confederação Sindical Internacional, presta(...)

RÁDIO CUT

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES DE ALAGOAS
Rua General Hermes, 380 | Cambona | CEP 57017-200| Maceió | AL
Fone: (55 82) 3221.6794 - (55 82) 3336.8786| www.cut-al.org.br | e-mail: cutalagoas@gmail.com